Contrate uma palestra!

e-mail: | formulário de contato

Voltar a página inicial Home     Entre em contato Contato     Telefones: (11) 3075.3040 / (11) 976.274.546
Tom Coelho - Palestras e Treinamentos Tom Coelho - Palestrante
Tom Coelho Palestras e Treinamentos SIPAT e
Setor Público
Educação e Sistema S Artigos e Publicações Clientes e Parceiros Imprensa Responsabilidade Social
Artigos       Livros       Vídeos       Parábolas


Artigos e Publicações

Pão, circo e o patriotismo da bola



"Só há duas opções nesta vida: se resignar ou se indignar."
(Darcy Ribeiro)


Só se fala nisso. Os jornais impressos lançam cadernos exclusivos. Os noticiários no rádio e na televisão dedicam blocos inteiros para abordar o assunto. Surgem programas de debates de todos os tipos. De comentaristas esportivos a ex-atletas, passando por atores e atrizes, músicos e colunáveis, todos parecem dotados de uma licença poética para opinar sobre resultados, lances e escalações. Fazem prognósticos como se fossem cientistas, criticam como se pudessem nortear decisões.
 
As cidades ganham um colorido em verde e amarelo. Bandeiras tremulam nas sacadas dos edifícios, nas janelas dos veículos, nas mãos dos pedestres. As ruas ficam desertas durante os jogos, o comércio fecha, a indústria para.
 
Enquanto isso, projetos deixam de ser votados no Congresso, empresas adiam investimentos, escândalos políticos são engavetados pela memória.
 
Em janeiro de 1984, uma campanha pelas eleições diretas para presidente da República reuniu 300 mil pessoas no centro de São Paulo. Em agosto de 1992, foi a vez da manifestação popular pelo impeachment do então presidente Fernando Collor de Mello reunir mais de 500 mil pessoas em 17 cidades.
 
Antes destes eventos, podemos mencionar 1968, o “ano que não terminou”, e a abertura política celebrada pela lei da anistia aos cassados pelo regime militar, decretada em agosto de 1979. Mobilizações de caráter cívico parecem ocorrer neste país em ciclos de dez anos. Estamos atrasados...
 
A pátria de chuteiras hasteia suas bandeiras apenas a cada quatro anos por pacotes de alegria de 90 minutos. Em torno da bola, mostra uma capacidade ímpar de união e civismo. Quisera eu ver igual demonstração de organização por outras causas. Pela educação, pela saúde, pelo controle dos gastos públicos, pela redução da carga tributária, pela segurança, pela redução das desigualdades sociais, pela ética na política.
 
Em vez disso, optamos por enaltecer atletas que, salvo exceções, esqueceram o significado da palavra humildade. Fazemos apostas e comentários que não levam a nada. Discutimos sobre as decisões equivocadas de um treinador que age exatamente como a maioria dos líderes de nossas empresas, desperdiçando talentos em defesa de sua inflexibilidade.
 
Com telas e telões como coliseus e jogadores como gladiadores, temos nosso devotado circo. Com o bolsa-família, o aumento do salário mínimo e a correção da tabela do imposto de renda, temos nosso pão. Descalços, desdentados, descamisados, mas brevemente felizes.
 
Imperadores da Roma Antiga devem estar orgulhosos de seu legado milenar.


Data de publicação: 23/06/2006


Tom Coelho é educador, palestrante em temas sobre gestão de pessoas e negócios, escritor com artigos publicados em 17 países e autor de nove livros. Contatos: atendimento@tomcoelho.com.br. Visite www.tomcoelho.com.br, www.setevidas.com.br e www.zeroacidente.com.br.




Artigos relacionados

  • O país da corrupção
    A corrupção não está restrita ao cenário político-econômico. Ela está presente em nossa cultura, em ações ilícitas praticadas em busca de benefícios pessoais.
     
  • A força da vocação
    10 lições de empreendedorismo de Mauricio de Sousa, o criador da Turma da Mônica.
     
  • Coragem para mudar
    Temos o hábito de dar importância a desconfortos, mágoas e ressentimentos, quando precisamos aprender a valorizar o que realmente importa.
     
  • Anatomia do amor
    Uma reflexão sobre o que realmente importa.
     
  • Brasil doente
    O maior problema de nosso país é a classe política, voltada em sua maioria para interesses próprios, sem qualquer vocação para contribuir com a sociedade.
     
  • Crise de liderança
    A maior de todas as crises atuais é a falta de lideranças, seja no setor público, nas empresas e mesmo no âmbito familiar.
     
  • Tragédia não é fatalidade
    Fatos do naufrágio em Cananéia/SP e o que deve ser feito para evitar que este tipo de tragédia se repita.
     
  • Ócio improdutivo
    Um trabalhador brasileiro chega a passar quase 40% do ano sem nada produzir. E o grande número de feriados contribui muito com tais estatísticas.
     
  • Celebre sua vida
    A inocência e a pureza de uma criança são suficientes para ensinar aos adultos a importância de valorizar cada novo dia.
     
  • Síndrome de planejamento
    A falta de planejamento compromete nossos resultados e pode levar à frustração.
     

Procura de artigos


Categorias


Traduzir / Translate



Ao redor do mundo


Hoje os artigos de Tom Coelho são publicados regularmente por mais de 800 veículos, com divulgação em 17 países: Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Uruguai, Venezuela, Panamá, México, Estados Unidos, Portugal, Espanha, Inglaterra, França, Itália, Cabo Verde e Japão.

Brasil Argentina Bolívia Chile
Colômbia Uruguai Venezuela Panamá
México Estados Unidos Portugal Espanha
Inglaterra França Itália
Cabo Verde Japão


Clientes

Patrocinadores

ComTexto Promo Press - Gráfica off-set e digital Qualidade em Quadrinhos Siamar - Recursos para treinamento Success Tools - Soluções para você e seu negócio TTI SUCCESS INSIGHTS – Pensou em assessment, pensou na gente TW Latin America - Soluções para internet
tom coelho © 2017 - todos os direitos reservados.

Desenvolvido e
hospedado por
tw Soluções para internet
Servidores dedicados, em nuvem e desenvolvimento
www.tw.com.br