Contrate uma palestra!

e-mail: | formulário de contato

Voltar a página inicial Home     Entre em contato Contato     Telefones: (11) 3075.3040 / (11) 99983.8948
Tom Coelho - Palestras e Treinamentos Tom Coelho - Palestrante
Tom Coelho Palestras e Treinamentos SIPAT e
Setor Público
Educação e Sistema S Artigos e Publicações Clientes e Parceiros Imprensa Responsabilidade Social
Artigos       Livros       Vídeos       Parábolas


Artigos e Publicações

Bandeiras da intolerância



"Não sou a favor nem do judeu, nem do muçulmano,
porque acho que só existe uma raça: a raça humana."

(Georges Bourdoukan)


Os atos de racismo contra o jogador Arouca e o árbitro Márcio Chagas da Silva. O iminente conflito bélico entre Rússia e Ucrânia. As recentes manifestações públicas permeadas pela violência.

Abra o jornal, folheie uma revista, ligue a TV. Observe como poucas são as notícias veiculadas que podemos apreciar. Os informativos, todos eles, têm como matéria-prima a desgraça. Ora são as guerras, ora os conflitos políticos, ora as mazelas econômicas. A fome, o frio, o fogo na mata adentro – os quais não deixam de ser outras formas de guerra. 
 
Tiroteio entre facções que disputam a hegemonia em regiões desprovidas de lei. A droga que grassa e viceja, invadindo escolas, bares e lares, atingindo não apenas adultos e adolescentes, mas até mesmo crianças. Uma arma de fogo que dispara acidentalmente, um garoto que chacina sua própria família ou um grupo de colegas da escola. Filhos que matam pais, pais que violentam filhas, filhas que se prostituem. Governos que desdenham da miséria e que lutam apenas pelo poder como fim absoluto de sua vaidade e ganância.
 
Mesmo onde se poderia imaginar prazer, encontramos o negativismo. O caderno de esportes relata a contusão de um atleta, exalta a suspensão de outro flagrado num exame antidoping, anuncia em polvorosa a demissão sumária de um técnico. No caderno de cultura, críticas ganham mais espaço do que elogios.
 
Não sei de onde vem este apego, este quase encantamento do ser humano para com o que é menor e não o eleva. Talvez seja uma espécie de indulgência às nossas próprias fraquezas. É como se, para nos sentirmos melhor, fosse necessário que os outros se mostrassem piores do que nós. Parece que a gente não busca se melhorar, mas sim diminuir os outros...
 
Vivemos tempos de amargura, tempos de desamor, tempos de intolerância. Compomos as nossas teias, os nossos círculos fechados de relacionamentos e de amizades. E carregamos bandeiras diferentes. Não são mais apenas bandeiras representando nações, pois a luta transcende o plano territorial e a supremacia.
 
Carregamos bandeiras de religiões sem perceber que, independentemente de qual seja a crença, o fundamental é a fé que se pratica. Religiões afastam as pessoas, enquanto a espiritualidade as aproxima.
 
Carregamos bandeiras diferentes nos estádios de futebol, e quando poderíamos apenas e tão somente comemorar a magia do espetáculo, fazemos de estandartes armas que ferem; fazemos da provocação animada e prazerosa concertos e odes para a ira coletiva.
 
Carregamos bandeiras pessoais, as bandeiras segregacionistas. Ora são os negros, ora os índios, ora os homossexuais, cada qual se colocando numa posição inferior, chamando a si próprios de minorias, buscando através do julgamento diferenciado o tratamento equânime. Querem a igualdade, mas a perseguem a partir da diferença. E muitas vezes acabam colhendo apenas a indiferença.
 
A palavra “intolerância” diz muita coisa. Ela remete à incapacidade de tolerar, ou seja, de aceitar, de permitir, de escutar, de respeitar, mesmo que discordando. De tanto ostentar bandeiras, negligenciamos nossa própria liberdade, colocando-a em segundo plano, esquecendo o prazer de contemplar e de amar a vida.
 
Mastros no chão, ao cruzar para o outro lado de um rio, ao atravessar uma ponte ou mesmo uma linha ou um marco imaginário, encontraremos alguém igual a nós, com as mesmas dúvidas, as mesmas incertezas e os mesmos desejos de respostas que povoam nossas mentes e nossos corações sem bandeiras.


PS: Exceção feita ao primeiro parágrafo, este texto é integralmente o mesmo que publiquei originalmente em 4 de novembro de 2005. Portanto, quase uma década depois, infelizmente não é necessário alterar uma única linha em seu conteúdo para mantê-lo coerentemente atual...



Data de publicação: 09/03/2014


Tom Coelho é educador, palestrante em temas sobre gestão de pessoas e negócios, escritor com artigos publicados em 17 países e autor de nove livros. Contatos: atendimento@tomcoelho.com.br. Visite www.tomcoelho.com.br, www.setevidas.com.br e www.zeroacidente.com.br.




Artigos relacionados

  • Novas canções
    O equilíbrio pessoal e a felicidade vêm da descoberta de novos caminhos e da redescoberta dos bons caminhos que se perderam.
     
  • O país da corrupção
    A corrupção não está restrita ao cenário político-econômico. Ela está presente em nossa cultura, em ações ilícitas praticadas em busca de benefícios pessoais.
     
  • A força da vocação
    10 lições de empreendedorismo de Mauricio de Sousa, o criador da Turma da Mônica.
     
  • Coragem para mudar
    Temos o hábito de dar importância a desconfortos, mágoas e ressentimentos, quando precisamos aprender a valorizar o que realmente importa.
     
  • Anatomia do amor
    Uma reflexão sobre o que realmente importa.
     
  • Tragédia não é fatalidade
    Fatos do naufrágio em Cananéia/SP e o que deve ser feito para evitar que este tipo de tragédia se repita.
     
  • Ócio improdutivo
    Um trabalhador brasileiro chega a passar quase 40% do ano sem nada produzir. E o grande número de feriados contribui muito com tais estatísticas.
     
  • Celebre sua vida
    A inocência e a pureza de uma criança são suficientes para ensinar aos adultos a importância de valorizar cada novo dia.
     
  • Síndrome de planejamento
    A falta de planejamento compromete nossos resultados e pode levar à frustração.
     
  • Geração sem-sem
    Uma reflexão sobre os novos hábitos das pessoas no uso da tecnologia digital.
     

Procura de artigos


Categorias


Traduzir / Translate



Ao redor do mundo


Hoje os artigos de Tom Coelho são publicados regularmente por mais de 800 veículos, com divulgação em 17 países: Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Uruguai, Venezuela, Panamá, México, Estados Unidos, Portugal, Espanha, Inglaterra, França, Itália, Cabo Verde e Japão.

Brasil Argentina Bolívia Chile
Colômbia Uruguai Venezuela Panamá
México Estados Unidos Portugal Espanha
Inglaterra França Itália
Cabo Verde Japão


Clientes

Patrocinadores

ComTexto Promo Press - Gráfica off-set e digital Qualidade em Quadrinhos Siamar - Recursos para treinamento Success Tools - Soluções para você e seu negócio TTI SUCCESS INSIGHTS – Pensou em assessment, pensou na gente TW Latin America - Soluções para internet
tom coelho © 2018 - todos os direitos reservados.

Desenvolvido e
hospedado por
tw Soluções para internet
Servidores dedicados, em nuvem e desenvolvimento
www.tw.com.br