Contrate uma palestra!

e-mail: | formulário de contato

Voltar a página inicial Home     Entre em contato Contato     Telefones: (11) 3075.3040 / (11) 99153.7282 (também por WhatsApp)
Tom Coelho - Palestras e Treinamentos Tom Coelho - Palestrante
Tom Coelho Palestras e Treinamentos SIPAT e
Setor Público
Educação e Sistema S Artigos e Publicações Clientes e Parceiros Imprensa Responsabilidade Social
 Minicurrículo        Fotos        Releases        Entrevistas        Assessoria de Imprensa        Certificados


Entrevistas

Conflitos no ambiente de trabalho

08/07/2004 - RH, Gestão de Pessoas e Liderança


CONFLITOS NO AMBIENTE DE TRABALHO
Jornalista: Ana Claudia Marigliani


Revista Vitrine – Está rolando um clima de romance entre eu e meu colega de trabalho. Mas fico na duvida do que devo fazer. Devo evitar esse relacionamento ou devo conversar com meus superiores sobre o que está acontecendo? Viviane, 27 anos, secretária, São Paulo.
 
Tom Coelho – Quando o amor nos visita, a amizade se despede... Se você sente-se envolvida por seu colega, dificilmente conseguirá evitar esta aproximação. Isso pode ser bom e passageiro, como um amor de verão, ou bom e duradouro – muitos casamentos já nasceram dentro dos escritórios. Mas também pode ser a semente de mágoas, frustrações e ressentimentos futuros, se não houver uma condução adequada já desde o início.
 
Com relação à empresa, é importante que você observe seus valores e cultura. Há companhias que, por princípios, não permitem relacionamentos entre colegas de trabalho, optando pelo desligamento formal de um dos colaboradores. Se este for o caso de sua empresa, considere a possibilidade de inicialmente viver o romance às escuras para manter seu emprego – e o dele. Se o amor "subir a serra", aí sim será o momento de compartilhar o sentimento com a direção da empresa, afinal, não é possível manter-se na surdina por toda a vida.
 
Revista Vitrine – Sou muito extrovertida e, às vezes, acabo falando muito sobre minha vida pessoal, para as pessoas que trabalham comigo. Até que ponto isso é certo? O que eu devo e não devo comentar? Joana, 25 anos, trainee de administração, Porto Alegre.
 
Tom Coelho – Vivemos mais da metade dos dias envolvidos com nosso trabalho. Assim, torna-se quase impossível dissociar a vida pessoal da profissional. Todavia, você deve se policiar na forma como se expõe diante de seus colegas. Renato Russo, em uma de suas canções, dizia: "Quero ter alguém com quem conversar, alguém que depois não use o que eu disse contra mim". Por isso, use de sua extroversão e simpatia para tratar de amenidades e assuntos genéricos. Guarde suas particularidades, e especialmente seus problemas, para compartilhar com pessoas de sua estrita confiança.
 
Revista Vitrine – Descobri que minha amiga falsificou um relatório que foi entregue à diretoria da empresa. O que eu faço? Conto para a diretoria ou converso com ela sobre o assunto? Tenho medo de ser demitida por isso. Marília, 32 anos, executiva, Rio de Janeiro.
 
Tom Coelho – Não deve ser o medo de perder o emprego, mas seus princípios éticos e morais que devem conduzi-la neste momento. Assim, recomendo que você converse com sua amiga, expondo-lhe sua discordância com relação ao ocorrido, permitindo-lhe corrigir o que foi feito – se isso for possível. Desta forma, a iniciativa de falar com a diretoria da empresa deverá partir dela, não de você, ao menos em um primeiro momento. Mas esteja atenta porque o jogo corporativo é sujo: ela poderá futuramente envolvê-la em situação que efetivamente coloque sua posição sob júdice, como forma de retaliação. Guarde uma cópia do documento adulterado em sua casa.
 
Revista Vitrine – Estou vivendo um drama. Minha colega, que foi contratada na mesma época que eu, acabou de ser promovida e agora é minha chefe. Estou tendo problemas, pois não consigo ser mais natural como antes, já que sempre estávamos comentando sobre tudo. Não sei mais como conversar com ela. Como devo agir? Sandra, 29 anos, assistente de marketing, São Paulo.
 
Tom Coelho – Sandra, a primeira questão você deve responder para si mesma: como a promoção de sua colega afetou seu orgulho próprio? Sente-se magoada por ter sido preterida ou você encarou com normalidade esta situação?
 
A segunda questão é com relação à sua colega. Ela mudou de comportamento após a promoção? É que o poder costuma não mudar, mas desmascarar as pessoas...
 
Após refletir sobre estes temas, você possivelmente encontrará algumas respostas sobre o porquê de não mais conseguir conversar naturalmente com ela.
 
De qualquer forma, esteja certa de que o melhor caminho é o diálogo. Tenha uma conversa franca com sua amiga, assumindo seus eventuais erros ou apontando os delas, possibilitando cultivar a amizade de outrora que, se bem alimentada, possibilitará a ambas grandes resultados, inclusive profissionais.
 

Veículo: Revista Vitrine


Leia outras entrevistas

Clientes

Patrocinadores

ComTexto Promo Press - Gráfica off-set e digital Qualidade em Quadrinhos Siamar - Recursos para treinamento Success Tools - Soluções para você e seu negócio TTI SUCCESS INSIGHTS – Pensou em assessment, pensou na gente TW Latin America - Soluções para internet
tom coelho © 2019 - todos os direitos reservados.

Desenvolvido e
hospedado por
tw Soluções para internet
Servidores dedicados, em nuvem e desenvolvimento
www.tw.com.br